Alfabetização na educação domiciliar teria êxito?

Alfabetização não deve ser tarefa exclusiva da família                                                           Foto: Pixabay
Dados da Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA), em 2017, dão conta que 20% dos alunos avaliados no 3º ano do Ensino Fundamental não sabem ler.
Alguns educadores acreditam que o homeshooling (educação domiciliar), possa ser uma estratégia que auxilie na solução desse problema.
Embora a educação domiciliar seja um tema que se encontra em evidência, as opiniões sobre sua eficácia são contraditórias. Primeiramente é preciso pensar que pais que passam o dia todo envolvidos com as tarefas do trabalho, não teriam disposição para se dedicar ao aprendizado de seus filhos, sem falar na questão de falta de preparo de alguns.
Quando se fala em alfabetizar, logo se imagina um profissional com qualidades peculiares para transmitir a uma criança os primeiros conhecimentos. Um professor que trabalha com alfabetização, normalmente investe muito em sua carreira, e acima de tudo possui os dons necessários para a  tarefa de ensinar os pequenos. Sendo assim, a missão de alfabetizar provavelmente não tenha efeito se for realizada pelos pais, de maneira isolada. 
É evidente que a família pode contribuir muito para o desenvolvimento do processo, mas não deve caber a ela toda a responsabilidade.

2 Comentários

  1. Educação domiciliar não seria obrigatório, só os que puderem e quiserem irão aderir. Dizer que um pai que se dispõem a alfabetizar o próprio filho não teria sucesso é uma besteira.

    ResponderExcluir
  2. Concordo. Uma grande parte das famílias não possuem estrutura suficiente para se responsabilizar por uma tarefa desse nível

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem